Tropeirismo: No lombo da mula

À medida que avançam as pesquisas sobre tropeirismo no Brasil, já é possível afirmar que em todo território nacional houve transporte de cargas por tração animal. Como não poderia deixar de ser, em cada tempo e localidade, esta atividade adquiriu características próprias e bastante peculiares que singularizam certas práticas. O texto a seguir, publicado na revista Aventuras na História, identifica distinções do tropeirismo do sudeste e sul brasileiros, relatadas a partir de um estudo de caso muito interessante.


Boa leitura!


Embarque na viagem de Reinaldo Silveira para entender como os tropeiros desbravaram o interior do Brasil

por Endrigo Coelho**


Do cruzamento entre o burro e a égua (ou da besta com o cavalo) nasceram as mulas. Da união entre as mulas e o homem, surgiu o tropeirismo, que deu suporte para a economia aurífera até o desenvolvimento das estradas de ferro. A explosão do ouro na região onde hoje é o Estado de Minas Gerais, em meados do século 18, fez com que aumentasse a necessidade de levar mantimentos para abastecer os pequenos povoados que começavam a crescer Brasil adentro. É aí que entra o tropeiro: espécie de caminhoneiro sem motor, transportava mercadorias e alimentos para a região das minas, onde a agricultura e a criação de gado haviam sido proibidas pela Coroa para não dispersar a mão-de-obra do ouro.

Seguindo as trilhas dos índios ou desbravando novas rotas, as caravanas propiciaram o desenvolvimento de cidades – como Congonhas do Campo, em Minas Gerais, e Sorocaba, em São Paulo – e abriram caminhos do Sul ao Nordeste do Brasil. Mas, para que as mulas cortassem o centro do País em busca do ouro mineiro, era preciso buscá-las no Rio Grande do Sul. Só lá havia criações dos resistentes animais, trazidos ilegalmente de Montevidéu.
Numa dessas viagens pelo Sul, um tropeiro ganhou fama por sua bravura: Reinaldo Silveira. Ele saiu com mais sete peões de Ponta Grossa, no Paraná, rumo a Cruz Alta, no Rio Grande do Sul, para buscar uma tropa de 550 mulas. A viagem começou no dia 28 de julho de 1891 e acabou em 19 de novembro do mesmo ano. As estreitas estradas que beiravam abismos em que caminharam, os mais de 12 rios que atravessaram a nado e as canoas que construíram foram só algumas das agruras pelas quais os tropeiros passaram. Mas, 56 dias depois, voltavam sãos e salvos para casa. Tinham 22 mulas e 3 milhões de réis a menos. Os animais foram mortos ou perdidos. O dinheiro foi extorquido pelo governo em barreiras colocadas nas rotas das tropas, espécie de pedágio da época.

 

Chegada ao acampamento

Os tropeiros eram bastante organizados. Suas viagens contavam com paradas em distâncias regulares nas rotas. Mesmo assim, às vezes alguns percalços faziam com que os viajantes tivessem de armar a barraca de improviso, em campo aberto. Quando isso acontecia, eles estendiam o ligal – uma lona feita de couro bovino – e dormiam embaixo, junto com a bagagem. Tudo vigiado por cães.

Problemas comuns

Reinaldo e os sete peões tiveram, como em qualquer viagem, alguns probleminhas. Além de perderem o machado que serviria para abrir caminhos na mata – ou para se defender de bichos reais e imaginários, como as mulas-sem-cabeça, das quais morriam de medo –, eles pegaram fortes chuvas. O mau tempo adiou a viagem, ao todo, por 20 dias. Na volta, mais pepinos: 22 mulas foram mortas ou se perderam no meio do caminho.
Jeitinho tropeiro

As resistentes mulas chegavam a custar 40 vezes mais que uma vaca, que era fonte de alimento. A inflação vinha da dificuldade em “produzir” mulas, pois para que um burro cruzasse com uma égua era necessário colocar nele a pele de um potro. Só assim o burro se enchia de coragem e cobria a égua – e a fêmea o aceitava.
Bebidas quentes

Depois das refeições, os tropeiros costumavam bater papo tomando cachaça. Pelas manhãs, o café tropeiro – com o pó no fundo, sem coar – e um golinho de pinga eram sagrados. “Eles acreditavam que a aguardente limpava o organismo para a viagem. Além disso, a bebida era usada para desinfetar feridas”, afirma Moacyr Flores, historiador da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.
Rango gorduroso

Para agüentar as longas viagens, que às vezes levavam meses, as comidas das tropas deviam ser secas e duráveis. Outra característica era o uso abundante de gordura para garantir a energia dos viajantes. Feijão, toucinho, torresmo, carne-seca, paçoca e farinha de mandioca e de milho eram os principais alimentos. O cozinheiro geralmente chegava antes dos outros nas paradas para ir preparando o rango.

Saiba mais

Livro
Tropeirismo no Brasil, Moacyr Flores Editora Nova Dimensão, 1998

Entre uma caminhada e outra…

Alguns pratos comuns entre os viajantes das mulas ainda continuam bastante populares. Veja quais ingredientes eram usados na época
Vaca-Atolada
Costela de vaca, farinha de mandioca e toucinho
Feijoada
Feijão e carne-seca
Feijão-Tropeiro
Feijão, carne-seca, farinha de mandioca e torresmo
Arroz-de-Carreteiro
Arroz e carne-seca
Anúncios

Um comentário sobre “Tropeirismo: No lombo da mula

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s