Rancho do Tropeiro 2012: quem conheceu, aprovou!

De 13 a 24 de junho, o Rancho do Tropeiro abriu suas portas para apresentar aos visitantes da Vila Junina o trabalho da Ong Carreiro de Tropa/Catrop bem como resgatar, historicamente, o papel do tropeirismo na formação de Vitória da Conquista. Muita gente passou por aqui… de todos os lugares, de várias idades e de eternas saudades!


“Desde quando nós
fizemos a primeira edição,  a ONG  Carreiro de Tropa vem crescendo em
sensibilização do público e em reconhecimento do nosso trabalho. Desde que a
Prefeitura tomou essa iniciativa desse resgate histórico do São João, a gente
que participa da festa a cada ano percebe que  a autoestima do conquistense
está renovada, o senso de identidade está renovado.
Estamos vendo o
respeito que o conquistense tem aos seus antepassados, que construíram essa
cultura”. (Maris Stella Schiavo, presidente da Catrop)





Quero
agradecer ao nosso novo parceiro a Catrop! Obrigado Maris Stella, Marilene,
Neto, Seu Hélio pelo apoio e carinho que vocês nos deram durante o nosso
trabalho. Obrigado Maris, pelo convite, por acreditar em nosso trabalho, em
minha direção e claro por essa parceria fodástica que estamos, aliás que
fizemos. Crescemos juntos e ganhamos credibilidade, nem mesmo a inveja
conseguiu nos derrubar. Estou muito feliz e contente com nossa parceria e
grandes trabalhos surgirão. A Catrop esta de parabéns pelo belíssimo trabalho
de resgate da cultura do tropeiro. Um trabalho belo e rico em versos e prosa.
Parabéns. (Wagner Silveira, diretor do Coletivo 1por1)





Dalva trouxe os filhos e o neto
para prestigiar o trabalho da Catrop. “Precisamos mostrar a essa juventude
o empenho que meus antepassados tiveram para construir essa cidade”.





“Sou curtidor do trabalho da Catrop. Cada ano, o
Rancho fica mais lindo. Parabéns!”, opinião de Carlos Brito, em sua visita
ao Rancho do Tropeiro 2012.




As irmãs Tatiana e Arlene Lula,
netas de caixeiro viajante, reconheceu muito da história de seu avô. “Oh,
lembrança boa… Obrigado por me fazer sentir isso: reviver pedaços de minha
infância”.




Wepson Fernandes, motorista da
Secretaria Municipal de Educação de Vitória da Conquista, disse que iniciativas
como estas são essenciais para conhecer nosso povo e sua história. “Bom
saber que temos, em meio ao forró, espaços que educam e fortalecem nossa cultura”.



Neto de tropeiro, Roberval Macedo
trouxe a filha para conhecer um pouco da história do troperismo e de sua
importância para a formação de nossa cidade.” Visitando o Rancho me fez
lembras daquela época em que esperávamos meu avó chegar com a tropa…”





“Não conhecia o trabalho da Catrop, mas me senti
aguçada em pesquisar mais sobre a Ong. Precisamos fortalecer trabalhos como
este para que esta cultura não passe desapercebida pelas futuras
gerações”, depoimento de Kátia Rocha, nascida em Conquista e moradora de
Salvador desde 1982, em visita ao Rancho com toda sua família.




Leidiana, acompanhada de Daniel e
Ivan, viu no Rancho do Tropeiro lembranças de um tempo bom. “Muito lindo.
Passar aqui e lembrar do tempo de pilar milho, corante… tempo do pilão, das
boas amizades. O Rancho favoreceu, com os objetos, a representação de minha memória”.








Seu Ismael Alves, em sua passagem
pelo Rancho do Tropeiro, fica feliz em fazer parte dessa história: “Bom
passar aqui e ver coisas de meu tempo. Tempo bom de união, trabalho conjunto e
solidariedade”.







Cesar Brito, acompanhado de
Rosângela Faria e Jane, parabenizou a edição 2012 do Rancho do Tropeiro.
“Muito interessante o resgate da cultura nordestina. Gostei pela
valorização ao nosso povo sertanejo que tanto desbravou pra dar ritmo a essa
cidade”.





Licenciada em História, Marlene
Alcântara Teixeira, morou na zona rural e o Rancho a trouxe lembranças
significativas. “Em minha casa tem tudo isso exposto aqui. Tudo fruto do
trabalho de minha bisavó. Esse Rancho me fez reavivar minha vida, em que mamãe
nos levava pra escola no lombo de um cavalo”. Ao seu lado, a sobrinha Daniela.





Em visita à cidade para rever a
filha, graduanda em Direito , Carmo Souza passa pelo Rancho do Tropeiro bate um
papo com Seu Hélio Schiavo, lembra dos tempos de seus avós e agradece:
“Bom perceber que a memória está sendo revisitada, valorizada e bem cuidada
por uma instituição não-governamental. Melhor ainda foi poder aprender mais um
pouco com os vivos e reais ensinamentos de Seu Hélio”.

  

Professora Maria Goretti e seu esposo Carlos Antônio
visitando o Rancho do Tropeiro 2012. “Fico feliz em saber que a memória do
nosso povo e a construção de nossa cidade seja valorizada pela CATROP”.











Anúncios

3 comentários sobre “Rancho do Tropeiro 2012: quem conheceu, aprovou!

  1. Nota 1000, que você, Junior Cruz, também nos ajudou a conquistar! E nesta oportunidade, renovamos nossos agradecimentos a todos os parceiros que estiveram conosco na realização deste projeto!

    Curtir

  2. obrigado catrop pela oportunidade de estarmos juntos fazendo a historia do tropeirismo em nossa regiao ser resgatada … amei participar do rancho 2012 e em 2013 estaremos juntos c mais força emprenho e garra conte comigo e c o coletivo 1 por 1

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s