Caminho do tropeirismo


por Danielle Argolo **

Muito antes das estradas de ferro ou caminhões, o comércio de mercadorias tinha um grande aliado: os tropeiros. As regiões interioranas, distantes do litoral, dependeram durante muito tempo do meio de transporte por mulas, principalmente na região de Minas Gerais, no final do século XVII. As lavras mineiras, por exemplo, exigiram a formação de grupos de mercadores no comércio interiorano, mas não foram só os mineiros que tiveram a ajuda desses personagens para o desenvolvimento local. A Bahia também foi marcada pelo tropeirismo, principalmente na região de Vitória da Conquista, o Sertão da Ressaca, e, até hoje, após fixarem moradia, eles tentam manter viva a tradição. Para ajudar nessa tarefa, os tropeiros conquistenses agora contam desde 2007 com um grande aliado para resgatar sua cultura: a ONG Carreiro de Tropa (Catrop). 

**Danielle Argolo jornalista e especialista em Comunicação Corporativa, é Redatora com experiência em assessoria de imprensa, gestão de conteúdo, marketing e eventos. Atua, hoje, como subdiretora da revista e portal Caro Gestor.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s